26 de agosto de 2014

Não sei...

Não sei...
Duvido do que quero
Quero o que não sabia
Não sei se quero o que queria
Ou se deixei de querer o que já quis
Talvez não saiba querer o que tenho
E tema não conquistar o que quero

Não sei....
Talvez apenas queira
Um querer que tudo se tem
Num estar de querer livremente
Sem querer estragar de contente
De quem tudo tem, na verdade
A partilha, e se queira sem ser metade!

2 comentários:

Luís M.Castanheira disse...

Um poema para percorrer, na dúvida do sentir e do querer.

belo!


"...só sei que nada sei." como disse o poeta, mas mesmo assim, sabe-se alguma coisa.

Quanto mais se sabe, mais dúvidas acrescem.

Um abraço, (...neste regresso)

Anónimo disse...

'' Entre lindos bosques caminhei
Buscando algo que ninguém mais quer
Perdi-me em um tempo onde tudo parece irreal
Onde tudo parece cruel
Aprisionei-me em algo desconhecido
Apenas para sentir o máximo e absoluto amor por algo
Questionei-me sem pensar que uma resposta não vem através das dúvidas
Eu quis voar
Eu quis permanecer intacta diante do meu reflexo
Eu apenas quis saborear o instante em que aprendi a chorar
Eu admirei minhas lágrimas e suas suaves formas me fazem sentir algo puro
Não existe dor e sim egoísmo
Entre lindos bosques eu voltei
Voltei para a realidade de acordar
E ser livre para proferir minhas palavras
As palavras que tão incansáveis saem de meus lábios
Pois ainda permanece descansando diante de minha própria imagem
Dessa maneira consigo enxergar o quanto é bom saber chorar...!!''